11/25/2011

Sonhos - V

o álbum de toda a minha vida erótica.

eu queria morrer:

o álbum de toda a minha vida erótica por apenas R$ 1,99 num bazar que comercializa pirulito, bombinha e revólver de espoleta. letreiro imenso, de neon, cor verde militar.

é tempo de tortura.

*

os negativos gritam na sala de revelação. correspondências.

se nas fotos aperto o bico dos seios, na outra margem me enforco. (a corda presa ao gancho em que mamãe estendia a rede durante o verão.)

para cada imagem em que surjo deitada, na cama, uma tragédia naquela sala. atropelamento: o sangue empoça no asfalto. é vermelha

a luz.

boquete, suicídio: tiro pela boca.

anal, empurram-me de um poço estreito, fundo, noturno. (abro os braços e as pernas para me amparar nas laterais do PVC, mas o limo não perdoa: escorrego devagar por este cano

metafísico. fisicamente metido
em mim.)

*

é tempo de tortura. um sargento sem corpo, sem voz, sem lugar, emerge deste açude escuro (no furo) do pensamento.

ouve-se o apito: mortos dormem em posição de sentido.


***


(Também publicado em De Ter de Onde se Ir).

5 comentários:

Marceli Andresa Becker disse...

PS - Eu tinha pensado em publicar outra coisa aqui hoje, um poema breve e bem impessoal, mais leve, que escrevi faz umas três semanas... Mas como aqui já tem outros desta série de sonhos, bueno, segue...

Anônimo disse...

Acho que este poema tem tudo a ver com o LE, Mar. Já tinha lido demoradamente (e repetidamente) no DTDOIr e achei que o que o seu poema discute tem muitos ecos em poemas do Daniel, da Eliana, do Anderson e meus. Então que bom que ele está aqui agora... Beijo,
Aldemnar

Daniel F disse...

tem uma pegada bem lingua epistolar mesmo! gostei.

Marceli Andresa Becker disse...

:), eu tbm tinha achado que dialoga com os textos daqui, com o 'tom' do língua...

tri!

FUI!

Anderson Dantas disse...

Olá a todos!

Devo me desculpar pelas ausências, mas você Mar é uma grande descoberta poética. Você é destas que mesmo após ler, continua a ressoar dentro, como um espinho no nervo, e devo admitir que é a única literatura que me interessa.

Abraços a todos meus irmãos do LE, e muitas conquistas em 2012!!